Banir sacolas plásticas?

A nova moda agora é a discussão sobre a proibição do uso de sacolas plásticas, principalmente nos supermercados. Mas será que isso realmente resolve alguma coisa?

O plástico é feito a partir de resíduos que sobram do petróleo, os quais não foram utilizados para a produção de combustíveis. Então fica a dúvida: se deixarem de fabricar as sacolas plásticas, o que será feito com estes resíduos? Vão descartar?

Ora, se banir as sacolas plásticas não vai diminuir a produção de petróleo – e a consequente sobra de resíduos – então não adianta nada, pois o plático vai continuar sendo criado e lançado no meio ambiente de outra forma. :s

Os contrários ao uso das sacolas plásticas também divulgam diversas propostas como alternativas, mas nenhuma com reais condições de substituição, seja por motivo econômico, seja por impossiblidade de produção em escala.

Como exemplo, podemos citar as sacolas de papel, que não são menos prejudiciais, pois para produzi-las é preciso desmatar. Se todas as sacolas plásticas fossem substituidas por de papel, certamente haveria um aumento considerável no desmatamento.

Outra ideia muito alardeada é o uso de produtos biodegradáveis. Mas apesar do nome bonito, a própria palavra já diz no seu radical (bio) que tais produtos são feitos a partir de animais ou vegetais. Ou seja, igualmente traria impactos ao meio ambiente, se pensarmos em produção em escala.

Por isso, proibir o uso de sacolas plásticas nos supermercados é apenas mais uma ideia simplista e inútil, que mais atrapalha do que ajuda, e não resolve problema algum.


Na verdade, essa é mais uma discussão hipócrita, pois a única solução para o terrível problema ambiental que enfrentamos seria diminuir a superpopulação humana, que é a espécie mais destrutiva – a maior praga da natureza.